Stranger Things Version
Wicked Academy

Quadra dos Animadores


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Mensagem por The Vanity em Sex Jun 05, 2015 1:28 am

avatar
Mensagens : 199

Data de inscrição : 15/03/2015

Staff

Quadra dos Animadores
Os animadores de torcida do instituto possuem uma área específica de treinamento no ginásio poliesportivo, equipado para atender às necessidades dos atletas. A quadra das cheerleaders assemelha-se à uma sala de dinástica olímpica, com o chão forrado de borracha - para as quedas frequentes -, trampolins para treinar os saltos, e um espaço amplo para praticar estrelas, danças e mortais. Em cada extremidade há uma caixa de som que toca as músicas das coreografias, revisadas cuidadosa e incansavelmente. Muitos alunos de outros cursos param por ali para observar as magérrimas e belíssimas torcedoras, assim como algumas alunas para ver os animadores, porém são todos expulsos pela treinadora constantemente.





Última edição por Mean Girl em Dom Jan 31, 2016 8:50 pm, editado 1 vez(es)

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar
Mensagens : 54

Data de inscrição : 20/06/2015

Policial


just dance;



Dance, yes, love, next, Dance, yes, love, next. I wanna dance, and love, and dance again. I wanna dance, And love, And dance again.  


Acordar. Trajar as roupas que havia separado na noite anterior. Perambular pela sala dos professores. Beber copos desnecessários de Mocha. Perambular mais e mais e por fim ir pra quadra dos animadores de torcida.

Era involuntário, mas Anastasia permaneceu em um modo automático por toda aquela manhã, sua primeira manhã lecionando no Weston Academy. Ela havia planejado aquilo, havia feito esquema de aulas, havia arquitetado como agir, como falar e até mesmo havia marcado com rabiscos que deveriam ser explosões de fogos de artifício a data de seu primeiro dia de trabalho ali; mas bastou uma noite para antes do grandioso dia para que ela esquecesse onde havia posto todo seu esquema de aula, para que ela perdesse a companhia de Michaela – que pagaria caro por não tê-la esperado –, e para que toda sua confiança se dissipasse. Seus cumprimentos para o corpo docente aquela manhã se resumiam a sorrisos curtos e acenos cautelosos com a cabeça. Ela jamais havia se sentido tão nervosa em estar rodeada de pessoas, por este motivo correu para o único local que se sentiria serena, a quadra onde daria sua aula, e lá permaneceu por horas antes de sua aula se iniciar, usando do silêncio que pairava por ali para utilizar do único artifício que a relaxava ao máximo: A dança.  

Sirenes. O som abafado de passos e dos gritos do que pareciam alunos das quadras adjacentes. Nada parecia importante ali para Anna. Não enquanto seus pés estivessem em um perfeito passé, antecedendo um relevé, com seus braços em uma primeira posição para que um giro fouette fosse executado – e a cada vez que precisasse de impulso ela liberava um developpé em sua postura reta, para girar mais e mais –. A loira manteve-se concentrada apenas no som de seus suspiros e dos seus batimentos acelerados, enquanto se movia para a esquerda em alguns passos ainda na ponta do pés de bailarina que sempre teve; e ela seguiu em seu caminhar ligeiro até conseguir o impulso necessário para findar sua sequência em um grand jeté – um longo salto em horizontal após impulsionar seu corpo para frente e e esticar suas pernas no ar; usando de uma para o início de tal e a outra para o pouso no chão.

Pós-pouso quase gritou de susto ao ver as sombras cruzarem o caminho de chegada da quadra. — Sim, a aula! — Ela sussurrou, arrumando o quanto pode a saia mullet negra conjunta ao seu collant da mesma coloração. Cutucou seu rabo-de-cavalo, verificando se o mesmo estava tão firme quão estava. Tudo parecia exatamente em seu lugar, de suas sapatilhas a sua maquiagem leve. — Está na hora. — Resmungou ela, enquanto as figuras surgiam ali a sua frente e a própria tentava liberar olhares confiantes e convidativos aos quatro inscritos na aula. — Muito bem-vindos, queridos e queridas.  — A serenidade que revestia o tom de voz da loira não era de um todo verdadeiro; ela estava um turbilhão de nervos interiormente, mas não deixaria isso transparecer. — É uma honra poder iniciar esses treinos com vocês, e sim, estamos em pouco número agora, mas o que precisamos é de tempo. Logo teremos dançarinos talentosos, assim como eu creio que cada um de vocês sejam. — Com lentidão, O'Driscoll deu uma passada a frente, aproximando-se dos seus alunos ali, olhando-os com curiosidade e carinho. — Ser um animador de torcida não é apenas balançar pompons e gritar incentivos para o time. Ser um animador de torcida é ser um time! É sermos o necessário para dar força aos nossos, deixa-los sentir nossa energia e se ligar no jogo, trazer a vitória. Somos tão essenciais quanto jogadores! Time nenhum é time se não tem seus animadores ali. — Anna quase gritou de animação, por liberar tudo aquilo, ditar todas aquelas palavras e ser bem melhor que o que havia ensaiado.  Bateu uma palma, adiantando-se para as costas dos quatro ali e entrando em seu meio, abraçando pelos ombros dois deles. — Eu quero conhecer cada um de vocês! Quero saber no quê são bons, o que podem dar para o time. Eu quero que se soltem, que liberem seu talento da forma que sabe, que expresse por meio do movimento e da dança quem é você. Façam no seu tempo. Planejem-se e mostrem a mim e a seus parceiros de time quem vocês são ou quem querem ser.  —

A largura do sorriso de Anna era o maior que já havia dado em vida. Sua felicidade era plena, seus olhos brilhavam de excitação, enquanto ela puxou seus alunos para um tour pela quadra, mostrando-os os equipamentos de ginástica e adereços para a dança. — Além de me mostrarem em prática sua identidade, eu quero que digam a mim o que a dança é para você. Se a dança lhe ajudou, se a dança foi importante em algum momento de sua vida. Quero que se abram. Porque a partir de hoje somos como uma segunda família de vocês, iremos nos ver muitas vezes durante a semana e eu não quero inimizades. Eu quero que cada um sinta-se ligado ao outro, que haja harmonia, que um possa estar ali para o outro. Porque um time é isto, é poder ter seu parceiro como um aliado, isto torna o time perfeito. — Outro sorriso sereno e Anna caminhou para sua mesa, decidida a checar algumas informações daqueles que ali estavam, deixando-os livres para analisar o que quisessem, sentirem-se relaxados para quem sabe estarem prontos para se mostrarem.






Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem por Mia Waldorf em Seg Jul 20, 2015 4:53 am

avatar
Mensagens : 76

Data de inscrição : 16/07/2015



If you  just smile...
#1 . music:Smile
[off: editado 20/07, 12h, pq veio uma inspiração poética que não podia deixar passar]

O que mais me revoltou com minha vinda para Wicked Academy foi perder toda a assistência profissional que tinha na American Ballet Theare para realizar meu sonho de ser bailarina do Bolshoi. Contar só com a equipe de animadores de torcida como exercício da dança me preocupa quanto ao meu avanço. Mas tirarei o melhor da experiência. Eu preciso dessa equipe, dessa ligação com a dança, para manter minha sanidade. Eu daria meu melhor, de corpo e alma, como sempre me entrego em todas as minhas coreografias. Com meu cabelo preso em uma trança suíça, polainas cinzas sobre as sapatilhas pretas, collant preto e short de malha igualmente preto, estava vestida adequadamente. Antes de ir para a quadra, fiz meu alongamento e aquecimento para não perder tempo.

Cheguei no exato momento em que a treinadora dava boas-vindas, explicando sobre o espírito dos animadores e sobre os equipamentos que tínhamos a disposição. Depois pediu que nos apresentássemos, mostrando o que a dança é para nós através da dança. Metalinguagem, eu gostei. Eu já sabia que coreografia apresentar. A primeira da minha autoria. Talvez seu vocabulário não fosse o mesmo esperado para uma coreografia de cheerleaders, mas era um pedaço da minha alma. – Tudo bem, eu posso começar. Meu nome é Mia. Fiz 10 anos de ballet e 3 anos de aulas de circo antes de vir pra cá.– disse alto. Conectei meu celular em um dos sons que estavam expostos e procurei a versão instrumental de Smile, do Charles Chaplin, na lista de reprodução. – Eu danço, porque quando eu danço eu sou livre. Eu posso ser quem eu quero ser e quem eu sou. Eu posso voar. Ela é a minha redenção. – disse antes de colocar o play, tentando colocar em palavras o inexplicável.

O violino começou a soar e tudo fluiu tão natural como respirar. Comecei com um efface devant, estendendo a perna esquerda com ponta no pé e o braço esquerdo, enquanto o braço direito levantou em um arco. Meu rosto virou lentamente para a direita, com um sorriso brincando nos lábios. Aproveitei a perna esquerda esticada para iniciar uma sequência de giros seguindo a melodia. Meus olhos fixos em um ponto, apesar de rodar, para manter o equilíbrio. Pernas e braços firmes em suas posições até que terminei em um arabesque – braços estendidos em posições opostas e uma perna levantada e reta. Fiz um grand plié, abaixando-me no movimento com leveza, seguido de um relevê que alongou todos os músculos do meu corpo. Segui andando nas pontas dos pés, com os braços levantados em arcos ou movendo-se de acordo com as notas sonoras. Finalizei ainda na ponta dos pés e com as pernas esticadas, mas com as costas arqueadas para trás de modo que quase fiz uma ponte – contudo meus braços estavam apontando de modo bailarino para o teto. A música acabou e minha simples e limpa coreografia também. Entretanto, ninguém disse nada. Provavelmente não estavam prestando atenção.

- Acho que vocês preferem acrobacias. Posso fazer um pouco disso também. – disse com a voz rouca para interromper o silêncio. Tirei as sapatilhas com os próprios pés e segui para o chão emborrachado. Imaginei-me no intervalo de um jogo de rugby decisivo para os egyptians: a situação apertada, um empate, a última pausa antes dos minutos finais de jogo. Para não deixar a torcida desanimada, nós, cheerlearders, teríamos que animar todos com nossa coreografia e os aclamados gritos de guerra, que ofendiam em tom esportivo o oponente. De frente para meus colegas, eu estava preparada para a sequência de acrobacias. Coloquei meu sorriso mais simpático no rosto, encarnando o espírito egípcio de pertença, e juntei as palmas das mãos em um estalo. Era o som do início. – Go egyptians... – sussurrei prendendo um sorriso.

Comecei levantando a perna esquerda para trás até que meu pé encostasse na cabeça. A mão esquerda apoiando meu pé, minha perna direita ereta e meu braço direito estendido para frente como ponto de equilíbrio. Saí da pose para uma rápida corrida que culminou em um salto com abertura frontal no ar, para pousar emendando em uma cambalhota. Levantei-me plantando uma bananeira para frente, apoiando meu peso nos braços e jogando meu corpo até que ele tombasse e eu ficasse de pé novamente. Emendei em mais uma sequência de acrobacias. Dei duas estrelinhas para frente, com as pernas retas e equilibradas. Segui com três passos largos que me deram impulso suficiente para um mortal para frente. Juntei meu corpo no máximo que conseguia para fazer o movimento perfeito. Pousei quase queimando a linha limite do tatame, fazendo a pose clássica de ginasta olímpica. Eu não queria ser exibida, mas precisava mostrar que não era só uma bailarina clássica, poderia muito bem ser uma animadora de torcida como todos ali.

A rápida demonstração me fez sorrir com a sensação gostosa de adrenalina correndo nas veias. Girei os calcanhares para um rodopio lento até ficar de frente novamente com meus futuros colegas de equipe. Com os braços imitando uma deusa egípcia pintada nas paredes de pirâmides, sorri confiante. Talvez a pose não tenha saído tão legal como eu imaginei que seria na minha mente, já que rendeu algumas risadas. Mas para mim, minha pose de Cleópatra foi bem Elizabeth Taylor. Inspirei fundo, buscando acalmar o coração acelerado, e me juntei ao grupo com uma caminhada lenta. Pela expressão neutra da empolgada treinadora, eu não conseguia adivinhar o que tinha achado da minha explosão de exibicionismo. Eu esperava sinceramente que fosse o suficiente para entrar para as animadoras, porque era o grupo escolar mais perto da dança que eu poderia encontrar ali. Sem ele, ficaria sem uma válvula de escape para meu turbilhão de pensamentos.

Acabei me sentando, com os braços ao redor dos joelhos, para assistir as apresentações dos outros. De fato, todos eram muito bons. Uns melhores que outros, o que é natural. Cada um com sua vantagem em pontos específicos, com suas particularidades. Observar as outras sequências acrobáticas me fez perceber que precisaria de muito treinamento nessa parte. Muito treino, suor e sangue seriam necessários para eu atingir o ponto ideal. Ainda assim, estava contente por ter escolhido essa área de atuação principal na Wicked Academy. E quando tudo acabou, pude me retirar, não sem antes passar na mesa da treinadora. Ela analisava algumas fichas e meu dizer chamou sua atenção por um instante. – Espero que possamos trabalhar juntas. – disse sincera, com um desnecessário tom de animação na voz. Antes de sair, deixei em sua mesa uma rima que poderia ser usada pelas cheers dos egyptians nos jogos internos. Não era boa com rimas, mas tive uma inspiração e tinha gostado do resultado. Sorri, um pouco sem graça, e me retirei para deixa-la realizar seus afazeres.

go egyptians! rhyme:


Hey Egyptians! Let's go win!
I feel the victory in my skin!
EGYPTIANS E-E-EGYPTIANS E-E!
(x4)(refrão)(ritmo de 'hey, mickey!')

The Greeks are gonne loose
And this they can not choose
The nordics cant with us
There war shout sounds like buzz

We cheer and we lead
We act like we're on speed
We're fun, we jump, you can look but don't you hump
We´re hot, we´re cool, we dominate the school

Girls and boys, come out to play
The cheers are shining as bright as day
Come with a whoop, come with a call
Come with a good will or not it all

E-G-Y-P-T-I-A-N-S EGYPTIANS! (x2)

Hey Egyptians! Let's go win!
I feel the victory in my skin!
EGYPTIANS E-E-EGYPTIANS E-E!
(x4)(refrão)(ritmo de 'hey, mickey!')

tradução - vai egyptians! rima:

Hey Egyptians! Vamos vencer!
Eu sinto a vitória na minha pele!
EGYPTIANS E-E-EGYPTIANS E-E!
(x4)(refrão)(ritmo de 'hey mickey!')

Os Greeks vão perder
E com isso eles não tem opção
Os nordics não podem com a gente
O grito de guerra deles parece um zumbido

Nós animamos e lideramos
Nós agimos a todo vapor
Nós somos divertidos, nós pulamos, você pode olhar, mas não se entorte
Nós somos gostosos, nós somos legais, nós dominamos a escola

Garotas e garotos, saiam pra brincar
As cheers estão brilhando como o dia
Venham com um grito, venham com uma chamada
Venham com um bom desejo ou não venham de jeito nenhum

E-G-Y-P-T-I-A-N-S EGYPTIANS! (x2)

Hey Egyptians! Vamos vencer!
Eu sinto a vitória na minha pele!
EGYPTIANS E-E-EGYPTIANS E-E!
(x4)(refrão)(ritmo de 'hey mickey!')

GO EGYPTIANS! X

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar
Mensagens : 87

Data de inscrição : 22/06/2015


I need shake my ass!
the class!
"Aula dos animadores de torcida em cinco minutos e eu ainda estou nesse quarto, meu Deus!" arfei enquanto pulava para fora de meu delicioso cobertor grosso e vermelho, suspirando e entrelaçando os dedos estalando um por um, assim como minhas costas, seguidamente virei-me para a esquerda e a direita quase girando meu corpo inteiro, sentindo que eu agora finalmente colocava as engrenagens de meu corpo para funcionarem. Pulei de minha cama ainda um pouco trôpego, sentindo os efeitos diversos da pequena garrafa de 500ml de vodca fazerem seu efeito. O que fazer diante de tais opções: ficar na cama o resto do dia ou ir exercitar-se? Eu não iria querer falhar no meu primeiro dia de aula, e eu odiava ficar sem me movimentar por muito tempo, eu sempre tinha de fazer alguma coisa, nem que seja uma simples acrobacia no pequeno quarto como ficar ereto com a perna direita na altura da cabeça enquanto lia algo na internet - sim, eu fazia isso toda hora, se alguém visse me acharia louco.

Pus uma calça de algodão branca, uma camisa vermelha com mangas e saí de meu quarto com uma visível falta de vontade; olhos profundos e lábios um pouco ressecados pela falta da ingestão de café da manhã. No caminho infelizmente não encontrei nenhuma máquina com aqueles maravilhosos lanches geralmente servidos, uma lanchonete ou até mesmo um carrinho, era como se todos decidissem sumir para eu de propósito ter de fazer piruetas, acrobacias e movimentos impossíveis e incríveis sem estar com as energias carregadas. Chegando lá eu coçava o olho direito com desânimo quando encontro uma loira esbelta, simplesmente linda, dando as aulas e comentando inclusive sobre a importância dos animadores de torcida e o que eles eram. Pra mim, eram um grupo com uma ótima desenvoltura de movimentos e que dançavam bem, e eu amava dançar, não só dançar como fazer ginástica.

Estreitei os olhos, querendo poder ter em mãos uma bolsa para ao menos fingir estar distraído, pois notava olhares estarrecidos em minha direção pelo atraso, outros faziam o favor de me ignorar e continuar prestar atenção na professora, e assumi minha posição sendo o último numa fileira de apenas quatro alunos. Aquilo estava mesmo certo? Geralmente os animadores de torcida enchem os corredores dos colégios, cheios de garotos e garotas com seus uniformes únicos, desfilando tão importantes quanto os jogadores de rugby, basquete ou futebol. Cruzei os braços sob meu peitoral, atento, desejando que tudo aquilo fosse um erro e surgisse uma fileira imensa de animadores de torcida atrasados assim como eu, mas... pelo visto, seríamos só nós quatro e a treinadora. Me sentia um pouco desanimado, mas lembrei de um ditado pela metade mas que servia; melhor só que mal-acompanhado, não é mesmo? No nosso caso; melhor poucos alunos do que muitos sem o mínimo talento.

O problema era; será que eu tinha talento algum para isso? Enquanto via uma morena de profundos olhos cobalto se apresentar perfeitamente com performances de balé me fez engolir em seco. Ela tinha uma habilidade tão grande com seus movimentos, uma graciosidade que fluía com tanta facilidade, que apenas olhei-a, admirado e embasbacado com tudo aquilo. Como se o balé não fosse suficiente, ela provou que realmente havia dado aulas em um circo e fez com perfeição uma sequência de acrobacias de tirar o fôlego.

Mordi o lábio inferior, ainda um pouco perplexo com sua incrível apresentação. Como sempre uni os dedos erguendo-os até estalá-los e fiquei nas pontas de meus pés, confortavelmente agasalhados por um tênis bastante casual, de um branco desbotado. Continuei nesta posição por alguns segundos, aproveitando-me do momento de relaxamento para fechar os olhos, lentamente subindo a perna direita até encostar a ponta do sapato nos dedos das mãos, lentamente o arco que eu havia feito com os dedos entrelaçados descer por toda a minha perna, terminando no início de minha coxa. Abri um leve sorriso com alguns olhares, pois eu realmente amava me alongar e me exercitar, além da dança, logicamente. Aplaudi com um sorriso incentivador que poderia parecer inicialmente um pouco sarcástico e até mesmo um pouco perverso, entretanto eu realmente parabenizava a bela morena.

Retirei de meu bolso o telefone, passando com rapidez o dedo indicador pela tela do mesmo e escolhi por fim a canção. Antes de tocá-la lembrei que deveríamos explicar em algumas palavras o que a dança representava para nós e como ela havia nos ajudado. Olhei para o celular, posto cuidadosamente ao chão próximo da pequena fileira de alunos curiosos. Eu tinha a resposta em mente, entretanto era como estar num navio diante de um quilométrico iceberg; simplesmente impossível de se passar por ele. Em minha timidez, sorri disfarçadamente, o que saiu foi uma menção de um sorriso encabulado.

- Me chamo Andrew Sibley, e bem... simplificando; eu não tive exatamente uma adolescência doce e incrível, eu passei por muita coisa apesar de ter uma boa família, e a dança, a capacidade de expressar-se corporalmente, e o canto e a ginástica, eram no início relaxantes, depois virou um vício e de repente eu já vivia fazendo posições cada vez mais difíceis pela casa e dançava quase sempre. Bem, resumindo, dança pra mim é muito importante, e antes de eu pensar em qualquer coisa sobre as vantagens de ser um animador, eu pensei naqueles filmes de animadores, sabe? Onde os animadores são uma verdadeira família... - eu falava um pouco nervoso, mas também um pouco animado, meio que ansioso, como se não pudesse conter tudo em mim.

Fui até próximo da mesa na qual a professora analisava-nos, sentada. Pus meu celular em cima da mesa do lado direito dela, afinal não arriscaria ninguém pisar nele ou eu mesmo fazer acrobacias e acabar pisando e me ferindo nele. Primeiramente retirei meus tênis por pura mania de conseguir dançar melhor descalço e com roupas folgadas para melhor equilíbrio e controle do corpo. Toquei no play, recuando com passos apressados, andando para trás, inicialmente a talentosa voz da artista tocou, o que me fez apenas deixar os pés juntos, ficando na ponta dos dedos e com as mãos estendidas para baixo, logo separei os meus pés, meu corpo curvou-se para a direita, como se eu me inclinasse ao som da canção, depois para a esquerda, quando as batidas se iniciaram ergui as mãos em punhos na altura de meu peitoral, ergui o ombro direito a cada batida da música, depois o ombro esquerdo, em sintonia, primeiro um e depois o outro, enquanto meus pés batiam no chão do local de acordo com a música.

Pus as mãos na altura de minha cintura, as palmas uma para a outra, girando-as a cada "yeah" que ressoava, eu erguia a cintura em conjunto e meu ombro subia e descia, sincronizadamente. Em "all my life" ergui as duas mãos na altura de meu rosto, mexendo os quadris a cada "life" cantado ao final dos versos, em "where have you been all my life" cantado ante o refrão eu ficava na ponta de um pé e depois do outro, movendo minha cintura do lado direito e depois do lado direito, rapidamente, seguindo o ritmo e deixando me levar pela música, sem coreografá-la igual a forma como era no videoclipe ou ensaiá-la; era tudo puro impulso, e eu estava acostumado a dançar dessa forma quase sempre pelo quarto enquanto andava de um lado para o outro pensando na resposta de algum dever de casa ou quando buscava ideias para escrever nos meus livros.

Era como um impulso, uma ânsia de me expressar, e de certa forma a música parecia abraçar meu corpo que rebolava de acordo com as batidas incessantes e o ritmo envolvente, eu uni as mãos em punho próximas de meu queixo, deslizando meu pé esquerdo pelo chão e movia minha cintura de um lado para o outro, em seguida dei um mortal para trás, em seguida de outros dois, abrindo escala em seguida, apoiando ambas as mãos no chão e erguendo o peso de meu corpo com as pernas ainda estiradas agora ao alto, unindo-as, seguidamente baixando levemente o pé direito dobrando a perna, com o peso de meu corpo forcei-o a voltar de forma a eu cair no chão agachado. Não totalmente satisfeito, tomei um impulso para correr pela quadra dando uma sequência de três mortais e depois do terceiro e último joguei as mãos contra o chão, basicamente caindo de cabeça para baixo depois dos mortais, andei com as mãos para trás um pouco, por fim meus pés encontraram o chão, enquanto eu limpava um pouco de suor na testa. Eu havia me empolgado tanto que havia esquecido da música, porém acho que o número de dança foi suficiente para no mínimo servir de avaliação para a professora, que mantinha seus glaciais olhos fixos em mim, impenetráveis, eu nunca saberia o que ela estava pensando de mim, pude constatar.

Cocei a cabeça com a mão direita, sentindo o calor dar seus primeiros sinais. Eu definitivamente estava com sede, mas fui até a fila de outros alunos, sorrindo vagamente e sentando-me na beirada de um dos trampolins. Cruzei os dedos acima de minha cintura, cruzando as pernas. Depois de todas as apresentações, por fim retirei-me depois da aula ser devidamente encerrada.

PS: Passe o mouse no gif pra ver o link da música!

I'm with teacher Anna Driscoll, and i'm wearing the uniform, and i'm listening this song. I'm Andrew.

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar
Mensagens : 54

Data de inscrição : 20/06/2015

Policial

Animadores de Torcida/Dança.

Semana I - correspondente em off ao dia 16/07 até o dia 02/08.

Pontuação Individual - Egyptians

- Mia Waldorf - 05 Pontos

----------------------------------

Pontuação Individual - Greeks

- N/D

----------------------------------

Pontuação Individual - Nordic

- Andrew H. Sibley - 04 Pontos


----------------------------------

• Pontuação Geral •

Egyptians - 05 Pontos

Greeks - 00 Pontos

Nordic - 04 Pontos


Explicações, morecos.:
Acho que a palavra que resuma bem minha opinião com relação a aula é surpresa. Sim, fiquei tão surpresa pelo fato de apenas dois alunos terem postado quão fiquei pelo que estes dois alunos me mostraram. Mia, Andrew, estão de parabéns, realmente!

Mia: Simplesmente adorei sua apresentação. Você me mostrou a talentosa bailarina que já é; imagina com mais treino? Você me mostrou versatilidade, me mostrou sua alegria ao dançar, me mostrou que a dança é parte de você tão quão o ar que você respira, por isto lhe dei o ponto extra. Meus parabéns, elfa.

Andrew: Meu loirinho dançarino. Sabia que meninos que dançam são sempre mais interessantes que muitos outros? Menino, você tem mágica nos pés. Sua coreografia foi muito boa, você me mostrou que sabe trabalhar com a coreografia improvisada e isto é bom para um futuro dançarino. Espero ver mais de ti, vê-lo explorar mais a dança e me encantar novamente. Parabéns, querido.
----------------------------------

• Status da Pontuação •

- Aguardando Registro! ( x )
- Pontos registrados! (   )




Voltar ao Topo Ir em baixo

Conteúdo patrocinado

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum
.
PARCEIROS & AFILIADOS

WICKED ACADEMY
Como se fosse um livro, Wicked Academy terá cada capitulo com tramas inspiradas em diversas séries. E atualmente no nosso Capitulo Dois temos como inspiração a famosa série do Netflix, Stranger Things. Como faremos a ligação entre esses capítulos? Descubra entrando no nosso RPG.

Tema por Mariana e Patrick.